quinta-feira, 11 de janeiro de 2018

FUNK FEMINISTA X FUNK MACHISTA


voces viram o novo clipe da Anitta o Vai Malandra
e eu vi esse clip mas eu tenho duas reaçoes de eu gostei e de nao gostei

o que eu gostei o clip mostra a realidade do Brasil mostrando a favela e pessoas felizes e tambem parar com esse preconceito dos reaças de que todo morador de favela é bandido e o que eu nao gostei deste clip é a objetificação das mulheres mostrando bunda mas calma que nao é que voces estao pensando

primeiro toda pessoa gosta de dançar o qualquer ritimo principalmente o funk mas eu vou fazer uma pergunta para voces

a mulher que esta dançando funk para voce é chamar macho????

primeiramente a mulher adora dançar porque a danca faz bem a saude certo como o Zumba que as pessoas estao melhorando a saude dançando zumba por exemplo isso significa que a dança de qualquer ritimo nao é chamar macho

segundo tem musicas funk machistas sim que algumas sao muito piores mesmo que tem muita apologia de estupro e de assedio sexual e eu nao danço essas musicas e alias nao é só funk nao que tem musicas machistas assim como o rock,sertanejo e ate o MPB tem trechos considerado muito machistas
e olha eu nao danço funk mas eu gosto de ouvir o Funk Melody aquela que nao tem palavroes que tem as batidas que sao melhores do que a de hoje mas quando vi as letras de funk atuais com cantores masculinos tem muita apologia de estupro mesmo aquela o ´´Meu Pau Te Ama´´ esse titulo de musica acha que a parte intima masculina é o centro do universo dele e eu vou fazer outra pergunta para voces.

voces manas teriam coragem de dançar funk com as letras machistas?

mas tem outro lado
existem funks feministas sim e tem algumas funkeiras feministas como a MC Carol por exemplo que as suas letras fala sobre a realidade triste das favelas e tambem fala sobre o feminismo e a Valesca tambem é feminista e recente falou que ia parar de cantar as musicas com a rivalidade das mulheres e tambem a MC Mayara  que tem musica feminista e MC Sofia,Tati Quebra Barraco,Deize Trigrona e tantas outras.

e vamos falar sobre as crianças cantando funk pesadao com palavrao
existem meninos cantando esse tipo de musica como o MC Doguinha que ele no clip adutilizou o menino de 11 anos e ele estava cantando musica que nao tem nada a ver com a idade dele e teve o clip que simplesmente me chocou porque ele esta no lado do carro maior que ele e tambem teve a mulher de biquini no clip
e outra existe a MC Melody que desde oito anos de idade usa roupas ousadas e infelizmente virou o aulo de comentario de pedofilos

mas como nos estamos a sociedade machista e essa é a logica deles

a menina de 11 anos cantando funk: VAI SER VADIA,NO FUTURO NAO VAI SER MULHER VALORIZADA E ETC
o menino de 11 anos cantando funk: ESSE É MITO,VAI SER MACHAO NO FUTURO E PEGADOR E ETC

e isso que acabaram de ler se a menina de 11 anos cantando funk é julgada e o menino de 11 anos cantando funk é poupado porque eu vou repetir para voces que varias vezes que eu falo neste blog que sim nos vivemos uma sociedade muito machista mesmo onde as mulheres sao obrigadas a casar virgem e os homens devem pegar as mulheres cedo para virassem machos.

as essas crianças nao deveriam cantar funk proibidoes porque a cabeça da criança é muito inocente demais e nao sabem essas palavras sao ofensivas. quanto eu tinha idade deles eu era uma criança muito normal que gostava de brincar com as minhas bonecas e os carrinhos mas infelizmente eu sempre morei no predio e nao jogava bola no predio para nao atrapalhar a vizinhança mas eu vou expressar a minha opiniao

os pais destas crianças que cantam o funk como Melody e o pai da Melodi nao deveria adutilzar a sua filha para fazer sucesso e se nao vai virar comentario ofensivo dos pedofilos e os pais devem prestar mais atençao dos seu filhos e deve cuidar o bem deles  e nao adianta dá porradas porque violencia gera violencia mas sim é conversar com seu filho e sua filha e tambem existe funks que nao sao ofensivos e proibidos e devem ouvir o Funk Melody que nao tem palavroes mas sim fala sobre as realidade da favela como a famosa Rap da Felicidade que eu gosto muito de ouvir que nao tem palavrao e alias que eu repito para voces que os funk melodys sao muito melhores do que a de hoje .

eu resolvi compartilhar o link que fala sobre o Funk Feminista
Funk e Feminismo:http://blogueirasfeministas.com/2014/08/funk-e-feminismo/

a Anitta fez esse clip porque mostrou a sua verdadeira origem que é o Funk Carioca e tambem mostrar a realidade da favela e nao amostrar o seu corpo seminu

eu tive uma ideia para voce para criar a versao feminista da musica Vai Malandra e veja como ficou essa versao com minha autoria para fazer denuncia contra o assedio sexual e a minha letra faz tudo sentido mesmo

Sai Malandro


Sai Malandro

Ce tá louco fica mexendo meu bum bum
Sai Malandro
Ce tá louco fica mexendo meu bum bum

Eu nao to pedindo

Se prepara, vou denunciar, presta atençao
ce aguenta
eu vou ligar 180
para voce se dá mal
seu cuzao

olha seu tarado

meu corpo nao é publico
e nao é divertimento
se voce persistir
eu digo vaza,vaza

olha seu tarado

eu nao sou sua nao
te pego e te denuncio
se começar fazendo merda comigo é

nao vou me calar

quero andar em paz
nao vou me calar
quero andar em paz

Sai Malandro


meu corpo minhas regras

eu nao sou objeto nao
e nao nasci ser escrava
e quero ser respeitada sim
e eu nao sou o trofeu de macho
porque eu nao sou feita para agradar macho vagabundo

ce tá louco

me enchendo
e ficou me querendo
quando eu digo nao é nao

Sai Malandro

Ce tá louco que fica mexendo meu bum bum
eu tó louca e e voce é o macho ruim
e broxa

Sai Malandro

eu sou nao fetiche sexual do hetero
Sai Malandro
eu tó louca e voce é macho ruim


olha seu tarado

meu corpo nao é publico
e nao é divertimento
se voce persistir
eu digo vaza,vaza

olha seu tarado

eu nao sou sua nao
te pego e te denuncio
se começar fazendo merda comigo é

nao vou me calar

quero andar em paz
nao vou me calar
quero andar em paz


lugar de mulher

é onde ela quiser
e nao é ficar trancada na cozinha
e as mulheres brasileiras nao sao fetiche sexual para gringo
e eu nao sou obrigada a ver os troços nojentos
e quem envia a foto do pinto é um verdadeiro putao

ce tá louco

me enchendo
e ficou me querendo
quando eu digo nao é nao

Sai Malandro

Ce tá louco que fica mexendo meu bum bum
eu tó louca e e voce é o macho ruim
e broxa

e eu vou um texto postado pela Carla Rodrigues no site Super Abril que diz assim

[...] No funk, há a crítica de que as músicas apresentam as mulheres como meros objetos sexuais (um lugar de subordinação do qual as feministas lutaram para nos retirar). Mas é preciso admitir os apelos de liberdade sexual da juventude como uma consequência positiva do feminismo.Valorizar essa liberdade é também um gesto político. Para isso, devemos pensar no feminismo não como um clube exclusivo ao qual se tem acesso por tortuosos caminhos institucionais (quem vende o título deste clube? Onde entregam a carteirinha?), mas como aquilo que o inspirou desde o começo: ser um movimento plural, sem hierarquia, dogmas, controle ou estruturas centralizadas, que não defende uma verdade, mas está em permanente construção de uma agenda em evolução. Assim, devemos mais é comemorar que a pauta da liberdade sexual tenha chegado ao funk – no que se espera que seja um permanente processo de expansão desde as primeiras reivindicações do movimento feminista

atualizaçao do post (13/01/18)
hoje teve uma musica funk que tem uma letra de musica que diz assim.

"Só surubinha de leve Com essas filha da puta Taca a bebida Depois taca a pica E abandona na rua Taca a bebida Depois taca a pica E abandona na rua

essa musica infelizmente esta no viral do Spotify e eu pergunto para voce

para voce acha que nao existe a cultura de estupro?

como o nome do post diz que existe funk machista e funk feminista
mas nao é só funk que tem letras machistas

mas eu nao gosto dançar funk e quando estiver ouvindo funk muito machista eu mudo de radio porque as letras machistas ´´sangram o meu ouvido e em breve esse blog vai ter uma postagem sobre as musicas machistas

Nenhum comentário:

Postar um comentário